domingo, 30 de março de 2008

Inverno pausa

Na beira da calçada
Na alameda
Entre todas as sêcas, de surpresa
Uma árvore rosa, toda florida.

De repente, sem mais nem aquela!

A vida é assim.
Sem hora nem tempo.
Vira primavera a qualquer momento.
Mesmo no meio do inverno.

3 comentários:

Vivi disse...

Passei aqui – à espera da primavera. Vivi

Alessandro Palmeira disse...

Muito bom o roubo do tempo da hora. Abraços carinhosos.

Compiegnois disse...

Boa, mafagafinha... agradeça Baudelaire, que me abriu o espírito ao teu blog.